Professor da UFSC estreia na ficção literária

25/03/2019 09:19

O professor Marcio Markendorf lança no dia 4 de abril, quinta-feira, a partir das 19 horas, na Fundação Cultural Badesc, sua primeira obra literária, a novela “Soy loca, Lorca, feito um chien no chão”.

Esta novela – não tomada no sentido puro do gênero, mas com hibridações – foca-se em uma personagem, como o título sugere, em diálogo com o poeta espanhol Federico García Lorca, por quem está apaixonada. Encarcerada em local ignorado, sem razão aparente, a personagem pressupõe que o cárcere pode ter sido motivado por sua loucura passional. Se o amor é sair de si, essa narradora colocou-se corpo afora – eis uma conclusão possível. Oscilando entre o delírio e a lucidez, baralhando a confissão e a ficção, a personagem escrutina os fragmentos do próprio passado afetivo, não sem atingir um ponto de virada alquímico e irreversível.

Conficcional é o adjetivo que Marcio Markendorf tomou de empréstimo para caracterizar seu primeiro trabalho. Foi o poeta e tradutor Rodrigo Garcia Lopes, referindo-se à obra de Sylvia Plath, um dos primeiros a usar o termo conficção – algo que pode ser entendido como um flerte ficcional com a confissão ou como um misto de confissão e ficção.

Assinam as orelhas do livro o escritor catarinense Carlos Henrique Schroeder e a professora titular de Literatura Brasileira Tânia Regina de Oliveira Ramos. O prefácio é por conta da escritora, tradutora e ensaísta Dirce Waltrick do Amarante. O posfácio, assinado pelo poeta carioca Gabriel Resende Santos.

“[O livro é] Um poema épico, uma narrativa vertigem, onde o feminino conta um amor que nunca viu, domesticando onze mil nomes, paixões, chien e a intimidade”, Tânia Ramos

“Esta novela de Marcio Markendorf é o fiel retrato de um tempo, que bem pode ser o de agora, ou o de Lorca, ou da imagem do amor, que atravessa a vida de cada humano uma ou mais vezes na nossa existência estilhaçada”, Carlos Henrique Schroeder

“Soy loca, Lorca, feito um chien no chão é um delírio, uma espécie de carta-confissão ou “conficção”, como Markendorf se refere à sua obra, de uma personagem que se diz apaixonada pelo poeta e dramaturgo espanhol Federico García Lorca”, Dirce Waltrick Do Amarante

“Mesmo em seus momentos mais digressivos, quando suas reflexões parecem interligadas de maneira cada vez mais vaga, é curioso que a narradora esteja cristalinamente apontando sempre a mesma direção: o cerne inatingível das impossibilidades”, Gabriel Resende Santos

Às 20 horas, no espaço do lançamento, haverá uma pequena performance a partir de trechos da obra com a atriz Marina Bento.
Sobre o autor

Formado em Letras, com doutorado em Teoria da Literatura, Marcio Markendorf atua como professor no curso de Cinema e no Programa de Pós-graduação em Literatura da Universidade Federal de Santa Catarina.

Mantém desde 2005 o blog Incorrespondencias (http://incorrespondencias.blogspot.com), projeto literário epistolar inspirado em Ana Cristina Cesar. Também tem desenvolvido o projeto de microliteratura no Instagram, em parceria com o escritor Adriano Salvi, em https://www.instagram.com/microcontando/, trabalho que está entre os contemplados com o edital da Fundação Cultural de Balneário Camboriú.

Possui contos publicados nas seguintes coletâneas: “, só muda a roupa”, volume organizado por Manoel Ricardo de Lima, 2010; “Todos os livros do mundo”, organizado por Tabajara Ruas e Rozi Osterreich, 2009; e “Decálogo”, organizado por Carlos Henrique Schroeder, 2008 – todas as três publicações do SESC/Florianópolis.

Tem uma contribuição narrativa no livro “Fabulações reminiscentes”, da artista plástica Juliana Crispe, publicado pela Cultura e Barbárie em 2015.

Com Andréa Figueiredo Leão Grants e Roberta Moraes Bem, organizou a coletânea “Entre estantes e entre tantos: histórias inusitadas na biblioteca”, de 2017, publicação com selo Publicações UFSC. O livro conta com dois contos de sua autoria.
O quê: Lançamento do livro: Soy loca, Lorca, feito um chien no chão, de Marcio Markendorf
Quando: 04 de abril de 2019, a partir das 19 horas
Onde: Fundação Cultural Badesc (Rua Visconde de Ouro Preto, 216 – Centro, Florianópolis)
Quanto: o exemplar do livro tem um custo de R$ 35,00

Resultado do processo seletivo de bolsistas – 2019/1 – ATUALIZADO!

20/03/2019 15:50

Já está disponível na página do Processo de Seleção de bolsistas 2019 o Resultado Bolsas Mestrado e Doutorado 2019.1 – atualizado (em 20/03/2019).

Os bolsistas contemplados com bolsa CNPq receberão por e-mail a partir do dia 12/03/2019 os termos de compromisso da bolsa, que deverá ser preenchido e assinado diretamente na plataforma Carlos Chagas. O procedimento é todo online. O e-mail deve estar atualizado no currículo Lattes para que o e-mail chegue corretamente.

Os bolsistas contemplados com bolsa CAPES deverão comparecer no horário de atendimento da secretaria do PPGLit de 11 a 14 de março, com comprovante de residência de Florianópolis e número e agência de conta corrente no Banco do Brasil (somente) para que seja assinado o termo de compromisso.

Inauguração do Espaço Multiuso

12/03/2019 16:07

A Direção do CCE tem a honra de convidar a comunidade universitária para a inauguração do Espaço Multiuso Zahidé Lupinacci Muzart, que fica localizado no varandão do CCE, que será realizada na quinta-feira, dia 14/03/19, às 10h.

O Espaço Multiuso tem como objetivo receber oficinas, exposições, secretarias de eventos, exibição de filmes, performances e atividades condizentes com o espaço e devidamente vinculadas às atividades de ensino, pesquisa, extensão e/ou administração, oferecidos por servidores docentes, técnico-administrativos e por discentes do CCE.

O nome do Espaço foi escolhido pelo Conselho do CCE para homenagear a professora Zahidé Lupinacci Muzart, que foi docente do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas do CCE, e uma das idealizadoras do Seminário Fazendo Gênero. Ela participou ativamente do primeiro encontro em 1994, organizado pelo Programa de Pós-graduação em Literatura, bem como de todas as edições subsequentes. A professora Zahidé participava da coordenação do Instituto de Estudos de Gênero (IEG) e de duas editoriais da Revista Estudos Feministas. Foi também fundadora da Editora Mulheres, com o objetivo de resgatar a obra de escritoras do século XIX.

Palestra “Ser Negro em Florianópolis”

11/03/2019 13:59

O Núcleo de Estudos de Poéticas Musicais e Vocais da UFSC convida a todas e todos para a palestra “Ser negro em Florianópolis”, com o professor Márcio Pereira de Souza, coordenador da Feira Afro Artesanal e ex-vereador da cidade.
Além disso, contaremos com a participação do rapper e slammer Daniel DKG e do artista plástico Bruno Barbi.

https://www.facebook.com/events/2271093259829380/

mesa-redonda “A polaca e outras sereias – alteridades e representações do feminino na literatura brasileira e na cultura”

11/03/2019 10:49

O Programa de Pós-graduação em Literatura e o Núcleo Literatual promovem a mesa-redonda:”A polaca e outras sereias – alteridades e representações do feminino na literatura brasileira e na cultura”. A ação de extensão é gratuita e aberta a qualquer interessado, mediante inscrição prévia no seguinte link: https://bit.ly/2tVf2fT

A mesa-redonda contará com as seguintes apresentações:

 “A polaca – a mulata ao avesso? Discutindo identidades femininas problemáticas”, Drª Anna Wolny (Universidade Iagiellonica | Polônia)

“Sempre Gabriela? Exotismo nos corpos das mulheres negras na literatura brasileira”, Drª Clarice Fortunato Araújo (professora egressa do PPGLit)

“As origens eurocêntricas das imagens estereotípicas de polonesas”, Izabela Drozdowska-Broering (PPGLit/UFSC)

 “Tráfego Brilhante: mulheres afro-cubanas e a commoditalização da pele negra”, Lourdes Martínez-Echazábal (Professora Estrangeira Visitante da PPGLit/UFSC e Professora Emérita da Universidade da Califórnia Santa Cruz/UCSC

 O evento ocorre no dia 19 de março, das 9 horas às 12 horas, no Auditório Henrique Fontes, térreo, Bloco B/CCE. A organização da ação é de Izabela Drozdowska-Broering e Marcio Markendorf.